Corrupção / Dinheiro público / Wellington Dias · 8 de julho de 2021

#TBT – Em 2009, Wellington Dias sabia da possibilidade de rompimento da barragem, mas desviou dinheiro da reforma do local. Sua corrupção matou 9 pessoas e deixou milhares desabrigadas

Em 2006, Wellington Dias pediu ao Ministério da Integração R$ 595 mil para o conserto da Barragem de Algodões, em Cocal. A barragem tinha graves avarias e, segundo especialistas, podia romper a qualquer momento.

Esse dinheiro foi desviado e os reparos nunca feitos. Dias antes do rompimento, diversos especialistas alertaram o governador que, a qualquer momento, a barragem romperia. Mas ele não fez absolutamente nada.

No dia 28 de maio de 2009, a barragem de Algodões se rompe, matando 9 pessoas, deixando 1.047 desalojados e 953 desabrigados e o maior crime ambiental da história do Piauí.

As águas arrastaram casas, postes e árvores. Inundaram 50 quilômetros da cidade de Cocal da Estação e chegaram a 20 metros de altura. Pelo menos 500 casas foram destruídas. Toda a água represada pela barragem – 52 milhões de litros – escoou sobre a cidade, varrendo o vale ao lado do rio e deixando rastro de lama.

Algumas vítimas fatais foram Francisca Maria Pereira, de 10 anos; Maria Tainara dos Santos, de 12; João Alves dos Santos, de 72 anos; e Francisca das Chagas dos Santos, de 73. Nomes esquecidos por um governo criminoso e cruel.

Atualmente, a Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos – a mesma que desviou o dinheiro da reforma do Zoobotânico – ignora o local e o gravíssimo crime ambiental, que impossibilita que a vida volte ao normal mais de 10 anos depois.

O Governador Wellington Dias teve o processo por prevaricação arquivado, mas ele ainda responde por homicídio culposo.