Servidores do Estado denunciam assédio moral para fazerem propaganda de Rafael Fonteles

Após a postagem do vídeo do Rafael Fonteles convocando comissionados e terceirizados do Governo do Estado a compartilharem suas publicações, servidores estaduais nos procuraram, pedindo anonimato, afirmando que estão sofrendo assédio moral e pressões para fazerem campanha política para o candidato petista.

“Estou sofrendo todo tipo de perseguição. Eles pedem, com todas as letras, para compartilharmos as coisas que o Rafael posta nas redes e a ameaça velada de que terei problemas com eles caso não compartilhe”,

No vídeo que virualizou no último domingo, em uma reunião privada do PT, Rafael disse que há mais de 3 mil comissionados no Governo do Estado e que eles devem compartilhar tudo que ele publicar nas redes sociais – também mencionou que assessores parlamentares e terceirizados devem fazer o mesmo.

Segundo a Lei 9.504/97, conhecida como Lei das Eleições, é terminantemente proibido o uso de servidores comissionados para fazer campanha política para candidatos. A pena pode ser a cassação do mandato do candidato, em caso de vitória.