Geral · 6 de abril de 2021

Se o que Elisabeth Sá faz é jornalismo, então não faço nenhuma questão de fazer jornalismo.

Eles ganham muito dinheiro público, mas não querem ser expostos – e acham um absurdo que a população saiba suas ligações políticas.

Elisabeth Sá tem décadas de jornalismo sem denúncias, sem exposição de crimes, sem absolutamente nada de relevante para a sociedade. Mas, para ela, sua constatação como grande profissional que é diz que O Piauiense não faz jornalismo, quem faz é ela e sua empresa na qual boa parte dos integrantes ganha dinheiro na Assembleia Legislativa – misteriosamente.

Para Elisabeth, quem é jornalista de verdade são seus colegas Lucas Pereira, Tony Trindade, Amadeu Campos, Cinthia Lages, Arnaldo Ribeiro, Elivaldo Barbosa e toda essa trupe que domina os grandes meios de comunicação. Nós, da página O Piauiense, não somos, nunca fomos e nunca seremos jornalistas.

Pois bem, se ser jornalista é me igualar a esse trabalho irrelevante feito por essas pessoas, o que fazemos aqui NÃO é jornalismo. É outra coisa que pode ser chamada por qualquer nome. Prefiro trabalhar com a verdade do que com mentiras. Jornalismo que aceita dinheiro público não está comprometido com as informações e sim com um projeto de poder.

Jornalista que bajula políticos em troca de carguinhos – e que aceita esses carguinhos sem revelar isso para a sociedade – não passa de um mentiroso que está ganhando dinheiro público para contar histórias e não revelar a verdade.

Aqui não tem dinheiro público e nunca terá – é dinheiro da saúde, segurança e educação que deveria ir para a educação, mas que está patrocinando jornalistas que só sabem viver de dinheiro público.

Sim, O Piauiense não é jornalismo – se ser jornalista é ser igual a vocês.