Eleições 2022 · 21 de abril de 2022

Rafael Fonteles, muito potencial para não fazer nada

Rafael Fonteles tinha todo o potencial para ter feito a diferença.

Desde jovem sempre foi premiado em olimpíadas estudantis no exterior, em 2005, ele se formou na UFPI em matemática com apenas 19 anos – dois anos após iniciar o curso. Um benefício dado para poucos – logo depois ele fez mestrado.

Era uma história que tinha tudo para ser um divisor de águas em um estado tão corrupto e dominado por uma elite política que só quer se dar bem.

A vida é feita de escolhas e, muitas vezes, mesmo tendo as melhores ferramentas, não fazemos nada com isso.

Esse é o caso de Rafael Fonteles: ao invés de usar sua inteligência para ajudar a desenvolver o Piauí, ele usou para aprofundar nossos problemas.

Rafael fez parte do Governo que mais aumentou impostos e impôs o 2⁰ maior ICMS sobre combustíveis – o que ajudou a aprofundar a miséria da população.

Ele era um empreendedor na área de investimentos financeiros, mas o Piauí, sob o Governo do PT, nunca espantou tantas empresas como agora.

Praticamente não há mais grandes empresas no Piauí – a última a deixar parcialmente o estado foi a Coca-Cola que abandonou a produção de refrigerantes demitindo vários funcionários.

Ele também sabe como fazer uma educação de qualidade, é um empreendedor de sucesso na área, mas mesmo ocupando uma pasta tão relevante no governo, não ajudou em nada o Piauí desenvolver sua educação pública, pelo contrário, usou uma empresa do sogro para faturar milhões em uma cursinho virtual que não ajudou em nada a vida dos estudantes das escolas públicas do Piauí.

Rafael poderia ser muito mais do que é. Ele, de fato, poderia ser uma geração voltada para o empreendedorismo e o desenvolvimento do Piauí, mas ele não é nada disso.

O candidato petista defende o aumento intensivo da máquina pública, ele acha que vivemos em um estado seguro e que é normal termos altos índices de corrupção (tudo que essa nova geração deveria abominar).

Rafael é o novo com velhas práticas, é o fruto de uma política do atraso. Essa é uma verdade que ele tenta de tudo esconder, mas que está cada vez mais clara.