Justiça / Ministério Público · 26 de julho de 2021

Por que após tantas denúncias de ilegalidades sendo cometidas no Piauí, o Ministério Público não age e a Justiça não funciona?

Se existe um motivo para que a situação do Piauí tenha chegado onde chegou em níveis de corrupção a explicação está na ineficiência do Ministério Público.

Todas as denúncias que fazemos aqui na página são travadas ao chegar no Ministério Público. Com exceção do caso dos CPFs Premiados, que está sob investigação até hoje, nenhum outro caso avançou. O MP até dá um retorno inicial sobre a movimentação do processo e, então, misteriosamente, desaparece sem deixar vestígios.

O primeiro caso investigado após denúncia nossa foi o Escândalo da Cultura. O Ministério Público Federal entrou no caso, já que se tratava de verba federal. O dinheiro referente a lei Aldir Blanc deveria ser direcionada para artistas que passaram necessidade durante a pandemia. Mas, Fábio Novo tentou pagar jornalistas e políticos com essa verba. O que aconteceu? O MPF afirmou não haver irregularidade e o TCE concordou.

As instituições no Piauí são inoperantes, ineficientes e não dão resultado para a população. Colocar um caso na Justiça é a quase certeza que uma indecisão injusta e baseada nos interesses do julgador é que será a sentença final.

Mas existe um ponto positivo: quando há pressão popular, conseguimos resultado. O Escândalo da Cultura, por exemplo, teve uma grande pressão da sociedade. Fábio Novo então precisou voltar atrás e cancelar os pagamentos ilegais. Os CPFs Premiados, antes mesmo do MP concluir alguma coisa, já rendeu a devolução de várias quantias (só a família do Adolfo Nunes teve que devolver mais de R$ 100 mil de pagamento irregular).

Não podemos confiar nas instituições. Elas não trabalham para o povo. Mas podemos confiar na população. Essa pode e deve ser o motor da mudança na sociedade.