Geral · 9 de abril de 2022

Os crimes de Wellington Dias que ele não quer que você saiba

Nos últimos 20 anos, muitos desses como governador do Piauí, Wellington Dias cometeu uma série de crimes contra a sociedade piauiense. São inúmeros casos de corrupção, omissão, fraudes entre outros.

Ele chegou a tentar criar uma narrativa de nível nacional, sendo presidente do Consórcio Nordeste, que fez com que ele fosse cotado até mesmo para ser um candidato à presidência da República – nome que foi descartado logo após a liberação da candidatura de Lula.

Vamos fazer um levantamento rápido de alguns de seus crimes desde o seu primeiro mandato até hoje para que os brasileiros possam conhecê-lo:

– Em seu primeiro mandato, em 2006, W. Dias esteve envolvido na máfia das ambulâncias, quando foi denunciado por direcionamento de licitações;

– Em 2009, um estagiário da EMGERPI denunciou esquemas em obras do Governo que chegariam ao rombo de R$ 120 milhões. O caso virou investigação da PF e chegou a derrubar a diretora do órgão, Lucile Moura. Em 2012, o TCE condenou Lucile – pessoa de confiança do governador – a devolver R$ 2 milhões;

– Em 2006, Wellington Dias pediu ao Ministério da Integração R$ 595 mil para o conserto da Barragem de Algodões, em Cocal. Esse dinheiro foi desviado e os reparos nunca feitos. Em 2009, a barragem de Algodões rompe, matando 9 pessoas, deixando 1.047 desalojados e 953 desabrigados e o maior crime ambiental da história do Piauí.

– Em 2019, PF cumpre mandado de busca e apreensão no Palácio de Karnak para apurar crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, organização criminosa e fraudes em licitações. Era a Satélites – início da Operação Topique.

– Em julho 2020, a primeira-dama e secretária de educação, Rejane Dias, é alvo da operação da Polícia Federal que investiga o desvio de R$ 50 milhões da Educação. A PF chegou a realizar buscas na casa do governador;

– Em 2020, duas operações federais investigam crimes na pandemia: as operações Campanile e Onzena investigam compras sem licitação e superfaturadas de medicamentos e produtos hospitalares pela Secretaria de Saúde do Piauí;

Em breve, vamos trazer à tona mais crimes de Wellington Dias e de seus secretários. Quando não era o próprio governador o articulador dos casos de corrupção, ele permitiu, autorizou e protegeu secretários cometendo inúmeros crimes ao longo dos seus quase 16 anos no poder.

Wellington Dias não é um líder, ele é político oportunista que conseguiu dominar vários setores que o protegem e participam da farra de dinheiro público junto com ele.