O sujeito investigado por uma das maiores compras de votos da Câmara de vereadores agora quer ser deputado

Nas eleições de 2020, no dia da votação, o principal cabo eleitoral de Jeová Alencar foi preso pela Polícia Federal com uma lista de nomes de eleitores.

Quando as urnas foram apuradas, Jeová tinha 11 mil votos – quase o dobro do segundo colocado.

Não, Jeová não é querido pelo povo de teresinense e nem é popular, mas está envolvido em um dos maiores casos de compras de votos da Câmara Municipal.

Além desse caso, ele também é investigado pelo Ministério Público no caso dos CPFs Premiados da Câmara de Vereadores e comete crime contra a administração pública ao não obedecer a Lei de Acesso à Informação – o que pode lhe dar cassação do mandato por improbidade administrativa.

Agora, Jeová quer levar seu método de trabalho para a Assembleia Legislativa.

Se na Câmara, ele é projeto de Themistocles, na Assembleia, ele tentará substituir o próprio Themistocles.

O que Jeová tem a oferecer para o Piauí?