Corrupção / Justiça · 27 de julho de 2021

Em janeiro, fundação responsável pelo hospital de Picos foi alvo de operação da Polícia Federal por fraude em compras de insumos para Covid. O Presidente era o Deputado Estadual Pablo Santos

Os hospitais regionais do Piauí são gerenciados pela Fundação Estatal Piauiense de Serviços Hospitalares (Fepiserh), que em janeiro foi alvo da Operação Onzena, na qual a Polícia Federal detectou fraudes – juntamente com a Secretaria de Saúde do Piauí – em compras de insumos para COVID.

Hospitais como o Justino Luz, em Picos, e o Hospital Tibério Nunes, em Floriano, são todos administrados pela Fepiserh, que tinha como presidente – até janeiro – o deputado estadual Pablo Santos. Após a Polícia Federal começar a desbaratar o esquema que ocorre na fundação e com medo de ser preso, Pablo deixou a presidência logo depois.

Imagens como aquela de ontem, em que um senhor, em estado gravíssimo, morreu no corredor do hospital sem nenhum atendimento médico são mais comuns do que imaginamos. Ontem mesmo já tínhamos recebido várias denúncias de superlotação naquele mesmo hospital antes de publicarmos aquele vídeo.

Na semana passada, uma denúncia semelhante foi feita por moradores de Floriano em relação ao Hospital Tibério Nunes – os dois são grandes hospitais regionais que atendem centenas de milhares de moradores de várias cidades próximas.

Atualmente, o Secretário de Saúde, Florentino Neto, está em campanha ilegal junto com Rafael Fonteles. Prometendo milhões do PRÓ-PINA Piauí para prefeitos, ele não consegue oferecer um atendimento minimamente digno para a população pobre que precisa desses hospitais.

O descaso com a saúde e a corrupção no setor são as marcas dessa administração.