Dinheiro público · 30 de abril de 2022

Deputados destinam R$ 310 mil para show que tem ingressos de R$ 80

O jornalista Wrias Moura, da Meio Norte, é um craque em receber dinheiro público do Governo do Estado ou através de emendas parlamentares. Só no mês de abril, por exemplo, a maioria dos eventos reservados para o novo Centro de Convenções está registrado para a empresa dele, a Kalor Produções.

Outra empresa dele, a Caju Produções, está recebendo R$ 310 mil de emendas dos deputados Marden Menezes (R$ 90 mil), Júlio Arcoverde (R$ 120 mil) e Evaldo Gomes (R$ 100 mil) para o projeto Orquestra Viva que apresentará a Orquestra Sinfônica de Teresina.

É um evento cultural importante que as emendas parlamentares poderiam ser justificadas devido ao alto nível do projeto, com exceção de um problema grave: a cobrança de ingressos.

A apresentação acontece no Centro de Convenções e os ingressos chegam a até R$ 80. Não é um preço popular, não é acessível para a população pobre.

Wrias chegou a citar que está destinando 200 ingressos para a Secretaria de Cultura como uma forma de “ação social” para que a Secult, teoricamente, distribua para pessoas pobres – mas quem aqui é ingênuo de achar que esses ingressos não irão para familiares de políticos do governo?

Infelizmente, a farra de emendas parlamentares se tornou a regra: patrocinamos EVENTOS PRIVADOS que ocorrem em lugares que eram PÚBLICOS (como era o Centro de Convenções), mas não podemos participar da festa que nós pagamos.

Esse é o Piauí.

Emenda do Evaldo Gomes

Emenda do Júlio Arcoverde

Emenda do Marden Menezes