Corrupção · 23 de abril de 2021

De todas as nossas representações no Ministério Público, apenas um caso de “peixe pequeno” está avançando. Promotores devem ser pressionados pela sociedade por resultados

Há meses que O Piauiense abre representações no Ministério Público, não apenas sobre o caso dos CPFs Premiados, mas de diversos outros casos já denunciados antes disso. Até hoje, só tivemos um retorno de que está acontecendo investigação em um dos casos.

O caso que tivemos retorno foi sobre Ricardo Monteiro, que acumula os cargos de Secretário Do Desenvolvimento Rural e ao mesmo tempo é assessor parlamentar na ALEPI. O caso está sob a responsabilidade da promotora Luísa Cynobellina A. L. Andrade.

É interessante notar que esse é um dos casos menos importantes que denunciamos – os outros, de peixes grandes como Adolfo Nunes que manteve sua mãe morta recebendo por meses ou familiares inteiros de deputados sendo sustentados pela Assembleia Legislativa ainda não tiveram avanço nas investigações dos promotores.

Não temos as folhas de pagamento de fevereiro e abril porque a ALEPI não disponibiliza e a Câmara de Vereadores está removendo informações relevantes com o silêncio do Ministério Público.

Não podemos deixar que apenas um “peixe pequeno” seja usado para o MP mostrar serviço. Há casos de crimes gravíssimos como o que relatamos que Themistocles Filho pagou funcionários pessoais como se fossem assessores parlamentares.

Ministério Público, a sociedade exige celeridade nas investigações desse que é um dos maiores escândalos da história do Piauí.

@mppioficial