Corrupção · 14 de julho de 2021

Assembleia Legislativa conclui que pagamento de salário da mãe de Adolfo Nunes não teve irregularidade nenhuma, mesmo que ela tenha morrido em setembro e continuou recebendo salário até março

Durante as denúncias dos CPFs Premiados, O Piauiense revelou que a mãe do ex-secretário municipal, Adolfo Nunes, a senhora Camélia Nunes, faleceu em setembro de 2020 e continuou recebendo salário até março de 2021 na Assembleia Legislativa. De acordo com o relatório técnico da casa legislativa, não houve problema algum nessa irregularidade.

De acordo com o documento, publicado no Diário Oficial do dia 2 de junho de 2021, a família só notificou a Assembleia Legislativa no dia 20 de abril sobre a situação – ou seja, uma semana depois da nossa denúncia, que foi realizada no dia 14 de abril.

Eles ainda informam que foi apresentado um extrato da Caixa Econômica Federal demonstrando a devolução da quantia percebida entre os meses de outubro de 2020 a março de 2021.

E concluem: “devido a boa fé demonstrada pelos representantes legais da pensionista, que mesmo não tendo feito a comunicação do óbito em tempo hábil, por não utilizarem os valores da conta-salário e em virtude da devolução integral dos valores repassados, somos pelo Arquivamento do Processo Administrativo Disciplinar, visto que o erário público teve seus recursos financeiros devidamente restituídos”.

Atualmente, a irmã de Adolfo Nunes, Sônia Maria Nunes, está processando O Piauiense (processo nº (nº 0801313-46.2021.8.18.0164) porque publicamos o caso. De acordo com Sônia, o montante acumulado já estava em R$158.154,78 na conta de dona Camélia, mas que não houve saque.