Análise do projeto de lei de Thanandra que quer acabar com carroceiros

Aconteceu hoje uma audiência pública para discutir o projeto de lei da vereadora Thanandra Sarapatinhas que propõe o fim dos carroceiros em Teresina.

A polêmica ocorre, principalmente, porque o projeto de lei é vago em relação ao destino dos carroceiros.

Segundo a Associação dos Carroceiros, há cerca de 2234 pessoas trabalhando com carroças na capital. De acordo com o projeto, o prazo para a prefeitura encontrar emprego para essas pessoas é de 12 meses?

Quem acredita que o incompetente prefeito, que não consegue nem mesmo resolver problemas simples como a manutenção e limpeza de vias, vai garantir um emprego para mais de 2 mil pessoas? É difícil acreditar.

Imagine a situação, não tão difícil de acontecer, da prefeitura simplesmente abandonar essas pessoas, deixando-as sem nenhuma forma de subsistência.

Em um passe de mágica, através de um projeto cheio de boas intenções, criou-se mais de 2 mil novos moradores de rua. Um grave problema social.

Outro ponto é o que fazer com os animais soltos.

O indicativo de projeto de lei diz que os animais serão doados ou levados para programas de equinoterapia, sendo que os mais doentes sofrerão eutanásia.

DOWNLOAD DO PROJETO DE LEI COMPLETO

Novamente, o mesmo caso das pessoas: qual é a garantia que a prefeitura dá da destinação desses animais?

Havendo mais de 2 mil cavalos, como a prefeitura vai proceder se não consegue doar todos? O PL não responde.

Abandona-los nas ruas, que é um destino muito fácil de acontecer com essa gestão, é dar-lhes um destino muito pior do que o trabalho nas carroças, permitindo a morte por fome ou atropelamento.

O economista Milton Friedman tem uma célebre frase que diz que não devemos julgar políticas públicas por suas intenções e sim pelos seus resultados.

Os resultados, no entanto, não podem ser imprevisíveis. É possível prever resultados – o projeto de Thanandra é uma luta para acabar com o sofrimento animal cheio de boas intenções, mas cujo resultado pode ser um desastre para a cidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *