O Governo está escondendo dados sobre a real situação da saúde no Piauí

Em uma live realizada entre O Piauiense e a Dra Lúcia Santos, diretora do Sindicato dos Médicos do Piauí, o Governo do Estado do Piauí e a Prefeitura de Teresina estão escondendo dados sobre a situação da saúde do Piauí, em especial dos óbitos e das contaminações de médicos.

“Já fizemos diversas solicitações, mas eles se recusam a passar as informações. Estamos trabalhando no escuro. Sem dados não é possível saber a real situação. Só estamos sabendo por informações que os próprios médicos no passam”, afirmou a médica.

Para a doutora Lúcia, os número de contaminações e de óbitos de médicos são bastante altos no Piauí, pois os hospitais não são preparados para oferecer a segurança necessária ao trabalho que realizam.

Investiram em hospitais de campanha enquanto não havia equipamentos básicos para os médicos.

Outro ponto discutido durante a entrevista foi sobre os hospitais de campanha. Para a médica, não havia equipamentos de proteção individual (EPIs) para todos os médicos na linha de frente, mas, ainda assim, fizeram hospitais de campanha que nunca foram utilizados.

“Não havia máscaras, das mais simples, para os médicos. Enquanto isso, levantaram hospitais de campanha que não estão em funcionamento. Tem que dar estrutura para o que já está funcionando, senão não adianta construir novo”, afirmou a médica.

O Governo impediu o acesso à saúde

Segundo a diretora do sindicato, o protocolo de tratamento utilizado em Floriano pela doutora Marina Bucar era baseado nas melhores experiências de hospitais da Espanha – um dos países mais atingidos pela COVID – e que se o Governo tivesse adotado esse protocolo desde o início, as mortes seriam muito menores.

“O protocolo da Dra Marina deveria ter sido utilizado desde o início. Era baseado em um dos países mais atingidos pelo COVID na Europa e estava salvando milhões de vidas. Infelizmente, politizaram um tratamento médico e isso fez com que as pessoas fossem impedidas de ter o melhor tratamento”, declarou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *