As eleições 2018 serão um show um demagogia e mentiras no Piauí?

Em 3 anos de mandato, o governador Wellington Dias cumpriu apenas 4 das 25 promessas realizadas em campanha. Isso significa que ele fez menos de 1 coisa por ano durante o seu mandato. Podemos excluir o ano de 2018, já que ele provavelmente nem irá trabalhar efetivamente, mas passará a maior parte do tempo fazendo campanha (e obras aleatórias que parecem ser parte de algum projeto).

Themístocles: mais de 20 anos e nenhum projeto relevante para o Piauí.

O presidente da Assembleia Legislativa do Piauí, Themístocles Filho, teve como ponto mais relevante de seu mandato, no ano passado, apenas um pedido de análise sobre a extinção das zonas eleitorais. Themístocles é presidente da Alepi há mais de 20 anos, com diversas contribuições irrelevantes para o Piauí.

O maior oposicionista atualmente é o deputado Robert Rios (PDT), que foi secretário dos últimos dois governadores, entre eles o próprio Wellington Dias. Robert encenou, no ano passado, diversas discussões na Assembleia contra o aumento de impostos, principalmente contra o deputado Evaldo Gomes (PTC) – logo depois os dois foram vistos juntos, trocando elogios.

Robert Rios brinca e elogia Evaldo Gomes logo depois de encenarem uma discussão na CCJ.

A última cena, dos dois políticos quase entrando nos tapas e depois trocando patéticos afagos públicos, mostra como a política piauiense, que é um retrato da brasileira, é um mero teatro. Não existe oposição.  Não existem debates. O próprio Themístocles se colocava, em sua campanha para presidente da Assembleia, como a oposição ao Governo W. Dias, já que seu adversário era Fábio Novo (PT), o problema é que, desde que foi eleito a primeira vez, Themístocles apoiou todos os governadores eleitos. E Robert tem o nome comprometido por ter feito parte do governo Wellington Dias.

Outro nome que chegou a ser falado foi de Ciro Nogueira (PP), o mais famoso político piauiense da atualidade. Denunciado na Lava Jato, o senador ainda cogitou a possibilidade de sair candidato ao Governo do Estado, mas acabou desistindo. Sob o risco de prisão, caso fique sem mandato e sem foro privilegiado, Ciro deverá lutar para continuar como senador ou tentar algo mais fácil, como deputado federal.

É muito provável que Wellington Dias seja reeleito. Não porque seja um grande político – os números comprovam que ele pouco fez, além de endividar o Piauí em mais de R$ 5 bilhões, seu mandato atual é insosso e fraco – mas, principalmente, por falta de qualquer outro nome com fibra, inteligência, com discurso sério e duro e, é claro, um saudável distanciamento da politicagem velha e suja para ser um adversário contra o governador.

Existe tal nome no cenário piauiense?

One thought on “As eleições 2018 serão um show um demagogia e mentiras no Piauí?

  • 3 de janeiro de 2018 em 08:30
    Permalink

    Uma pessoa que diz que WD fez pouco nos seus mandatos seria melhor se informar primeiro pra se dizer comentarista político.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *